O de Havilland Beaver com motor MagniX é retirado da água após seu primeiro vôo totalmente elétrico.No ano passado, a magniX provou que seus motores elétricos podem alimentar um avião de transporte regional que pode transportar até 40 passageiros. Agora a empresa está avançando para o próximo estágio de crescimento e desenvolvimento, consolidando suas operações em uma nova instalação em Everett.

A nova sede combinará os centros de engenharia de Redmond e da Austrália em um edifício de 40,000 pés quadrados no Paine Field. A mudança reunirá as equipes de engenharia, produção, teste e administração da empresa sob o mesmo teto. Em meados de 2021, magniX espera ter pelo menos 60 funcionários na folha de pagamento.

O foco de curto prazo da empresa está no mercado de passageiros, oferecendo um sistema de propulsão totalmente elétrico e de emissão zero que pode transportar passageiros em rotas de até 1,000 milhas.

MagniX diz que o custo é de cerca de US $ 300 por hora de vôo, em vez de US $ 1,500 para aviões movidos a gás do mesmo tamanho. Inicialmente, a empresa planeja modernizar aeronaves movidas a turbina existentes com os motores elétricos cilíndricos do magniX.

Em maio passado, a empresa fez um vôo de teste usando um Cessna Caravan convertido. Eles estão trabalhando com a Harbour Air em Vancouver, BC para converter sua frota de Havilland Beavers e buscarão a certificação para voos comerciais. O Beaver de cinco passageiros poderia ser certificado já no final de 2022 e o Cessna Caravan de nove a 11 passageiros em 2023.

A longo prazo, a magniX deseja que suas usinas gerem energia para uma nova geração de aeronaves totalmente elétricas e está trabalhando junto com as startups para desenvolver novos projetos a partir do zero. Uma dessas startups é a Eviation, que projetou um avião totalmente elétrico conhecido como Alice, que poderia transportar nove passageiros em rotas de até 440 milhas. A empresa alugou três hangares no Aeroporto Municipal de Arlington em 2020 para montar os primeiros aviões da série.

Leia mais sobre magniX em The Seattle Times.